Notícias UPF

Experiências e vivências linguísticas em livro produzido por acadêmicos do curso de Letras

  • Por: Assessoria de Imprensa
  • Fotos: Divulgação

Obra foi elaborada como parte das ações da disciplina de Sintaxe e permitiu reflexões sobre a pandemia

Motivados pela leitura do livro Álbum de figurinhas, de Carlos Urbim, e orientados pela professora Dra. Marlete Sandra Diedrich, acadêmicos do curso de Letras da UPF elaboraram a obra “Sintaxe e Pandemia, uma experiência de afeto”. Publicada neste mês de setembro pela editora Pedro & João, de São Carlos, o trabalho compartilha memórias e vivências que refletem a vida em tempos de pandemia.  A ação não tem o intuito de comercialização da obra, mas os interessados em adquiri-la podem fazer contato pelo WhatsApp (54) 99975 1714.

Na obra, os autores apresentam narrativas e até poemas envolvendo acontecimentos passados, pessoas queridas, mas também fatos atuais, marcados pela pandemia. Para a professora Marlete, essa configuração dá ao aos textos um tom marcado pela subjetividade.

O objetivo norteador, de acordo com a orientadora, foi analisar a língua em emprego, em uso, mais especificamente, estudar os arranjos sintáticos que caracterizam as narrativas. Mas, ao longo do trabalho, Marlete ressalta que este objetivo foi ampliado e foi possível atingir uma vivência de linguagem bem mais significativa e ampla, na busca de se construir, com os graduandos de Letras, um modo bastante significativo de se trabalhar a língua. 

Os acadêmicos que participaram, bem como a professora, pretendem promover debates e conversar sobre o livro. “Em relação ao livro, queremos falar mais sobre ele às pessoas em geral, o que faremos em encontros virtuais no decorrer da pandemia, mas estamos planejando o lançamento presencial para quando voltarem as atividades escolares presenciais”.  

Aproximação em tempos de isolamento social

Para a professora, a iniciativa serviu também como forma de aproximação dos acadêmicos nas aulas remotas. “Para muitos deles e para mim também, foi um oásis em meio a tempos tão difíceis aos quais tivemos de nos adaptar tão rapidamente e sem preparação. Assim, poder produzir um livro com textos tão autênticos em uma aula remota é uma experiência singular e se deve ao empenho e comprometimento dos acadêmicos”, pontua.

Esse laço criado e a possibilidade da construção da obra produziram repercussões na formação dos acadêmicos. De acordo com Marlete, a primeira delas é comprovar que todos têm potencial criativo e capacidade para produzir seus próprios textos, com propriedade e de modo autoral. Outra repercussão importante, considerada pela professora, é a experiência de ensino voltada para a língua em uso, numa vivência que aproxima língua e literatura. “Acreditamos que os acadêmicos que vivenciaram a produção desta obra têm potencial para desenvolver projetos semelhantes em suas turmas”, destaca.

Marlete ressalta que o curso de Letras tem trabalhado nos últimos anos com vários projetos nas áreas de língua e literatura. A elaboração do livro é apenas uma destas ações, abrindo possibilidade de novas produções, em outras disciplinas, com outros grupos de estudantes.

Ações contínuas e movimentação acadêmica

Cursando o 6º semestre, o acadêmico João Paulo dos Santos Sauzen explica que a proposta partiu da análise da funcionalidade da língua em uso, potencializando a aproximação do real e alcançável, uma vez que o objeto a ser analisado, ou seja, o texto, seria uma produção própria de cada estudante. “No momento que nos foi concebida a liberdade de deixar a nostalgia montar um material, todos os textos foram escritos rapidamente e os autores estavam ansiosos para compartilhar suas histórias com seus colegas”, pontua.
 
Ele destaca que o trabalho foi tratado com muito carinho por todos os envolvidos. “Além da liberdade de trazer uma experiência própria para fins de estudo, evidencia que pode haver produção, discussão e aprendizado, uma vez que entendamos que a linguagem é fundamental em nossas vidas, pois possibilita nossa comunicação e interação com o mundo”, observa o acadêmico.

Para Camila Docena, acadêmica do 5º semestre, a experiência foi enriquecedora e permitiu reflexões importantes para a vivência acadêmica e também de vida. “Como cursamos essa disciplina em meio à pandemia, as inspirações dos nossos textos vieram desse momento cheio de medos, incertezas e esperança. Eu moro sozinha com meu gatinho e em todo esse período de isolamento social, ele foi o meu companheiro. Por isso, meu texto foi escrito na visão dele: o que ele estaria pensando desse tempo, já que, de uma hora para a outra, eu passei a ficar em casa o tempo todo?”, explica Camila.

Os momentos de aprendizado e a possibilidade de evolução da escrita são os momentos mais marcantes para Camila. Ao escrever, ela destaca que existe o desafio de utilizar as estruturas da língua e perceber a importância que cada palavra traz aos sentidos que se busca expressar. “Muitas vezes esses textos não saem da sala de aula. Esse livro é tão significativo para nós porque, além de podermos compartilhá-lo com mais pessoas, ele também foi escrito durante uma pandemia. Mesmo em meio a todo o caos, a todas as mudanças e adaptações, nós tivemos a oportunidade de seguir estudando, aprendendo, escrevendo”, considera a estudante.