Notícias UPF

A robótica sendo aplicada no cotidiano

  • Por: Assessoria de Imprensa
  • Fotos: Reprodução

4ª etapa da 8ª Olimpíada de Robótica Educativa Livre desafiou os competidores a refletir sobre as diversas possibilidades da robótica no dia a dia. Conheça os vencedores desta fase da competição

A 4ª etapa da 8ª Olimpíada de Robótica Educativa Livre da Universidade de Passo Fundo (UPF) foi realizada no último sábado, dia 21 de novembro, de forma virtual. Contando com o envolvimento de estudantes, a prova desta fase incentivou os participantes a pensar sobre as possibilidades de aplicação da robótica em seu cotidiano e os desafiou a criar circuitos que envolvessem a robótica por meio da automação de determinado processo.

De acordo com o coordenador da atividade, professor Dr. Marco Antônio Sandini Trentin, na etapa, os estudantes deveriam utilizar, no mínimo, três LEDs, um sensor de livre escolha e um atuador (motores, servomotor, buzzer, dentre outros) para confeccionar a solução. “O objetivo principal foi incentivar os alunos a buscarem conhecimento sobre o desenvolvimento inicial de circuitos eletrônicos e os primeiros passos para programar em blocos no microcontrolador Arduino com o simulador on-line TinkerCad”, relata.

Equipe Cavalo Vendado 1 conquistou o 1º lugar com o projeto “Simulação de uma assistente virtual - Alexa”

De maneira similar à penúltima etapa realizada, os participantes, segundo Trentin, apresentaram soluções criativas e complexas para várias situações do cotidiano onde, além de apresentarem o esquemático do circuito e a programação envolvida, eles contextualizaram aonde as suas propostas se enquadram. “Muitos projetos também tiveram soluções pensadas na acessibilidade de pessoas com algum tipo de deficiência, como visual ou auditiva”, comenta.

Os vencedores dessa etapa foram:
- 1º lugar: Equipe Cavalo Vendado 1 (Colégio Marista Medianeira), com o projeto “Simulação de uma assistente virtual - Alexa”.
- 2º lugar: Equipe Cavalo Vendado 2 (Colégio Marista Medianeira), com o projeto “Iluminação de uma sala de aula inteligente.
- 3º lugar: Equipe Metal Knight (Colégio Marista Conceição), com o projeto “Sensor de temperatura extremo, com som”.

Na prova, outras equipes desenvolveram os seguintes projetos: Equipe Moon Walkers - Projeto de sensor de temperatura com ventilador automático e som; Equipe EcoTech - Projeto de alarme para incêndio; e Equipe Alien - Projeto de sensores de presença.

Reinvenção da atividade
Em virtude da pandemia de Covid-19, a 8ª edição da Olimpíada de Robótica Educativa Livre precisou ser reinventada. Assim, as competições, tradicionalmente elaboradas com o microcontrolador Arduino e com os componentes eletrônicos e mecânicos para confeccionar as soluções dos desafios das diversas etapas que compõem a Olimpíada, foram substituídas por provas virtuais, em que os competidores buscam desenvolver importantes pilares da robótica, porém por meio de simuladores.

A Olimpíada deste ano foi organizada em cinco etapas, que estão ocorrendo desde agosto e seguem até dezembro. Em cada fase, o grau de complexidade aumenta com intuito de aprofundar os conhecimentos dos participantes. Nesta edição, cada equipe é composta por três participantes de uma mesma instituição de ensino, acompanhados de um professor.