Notícias UPF

Aulas de inglês na UPF contam com professores americanos

  • Por: Assessoria de Imprensa
  • Fotos: Camila Guedes

Ao longo de todo o ano, Chelsea Valdez, de Los Angeles, e Victor Filpo, de Nova Iorque, atuarão como professores assistentes no curso de Letras e em atividades abertas à comunidade acadêmica

As aulas das disciplinas de inglês do curso de Letras da Universidade de Passo Fundo (UPF) ganharam um sotaque diferente. Desde o início deste semestre, os estudantes estão tendo a oportunidade de aprender ainda mais sobre o idioma com americanos nativos. Isso tudo graças a presença Chelsea Valdez, de Los Angeles, e Victor Filpo, de Nova Iorque. Os dois vieram para a Instituição por meio do "Projeto Metodologias inovadoras para a potencialização do ensino e do uso do inglês como meio de instrução", submetido ao Programa Capes-Fulbright (Edital 16/2019) e até novembro deste ano, atuarão como professores assistentes de língua inglesa (English Teaching Assistants). 

Nesta semana, já bem entrosados com as turmas, os dois conduziram suas primeiras aulas. As aulas são montadas a partir de um planejamento semanal, onde professores titulares e assistentes discutem os conteúdos e planejam as atividades que serão desenvolvidas. Todas as noites, pelo menos duas turmas têm aulas com os professores assistentes, que são ministradas em inglês e acompanhadas pelos professores titulares. Essa é a primeira vez que a Universidade participa de um projeto como este, que tem duração de três anos. Até 2022, pelo menos outros quatro professores americanos devem passar pela Instituição. 

Para a professora do curso de Letras e coordenadora da Assessoria Internacional (AI) professora Dra. Luciane Sturm, pelo projeto, cerca de 80 americanos estão no Brasil e a UPF é a única instituição da região a oferecer essa oportunidade, além de ser uma das poucas comunitárias que obtiveram a aprovação. “Para nós, isso foi bem importante, porque vai realmente qualificar o ensino nesses três anos. Nós organizamos os horários de uma forma que pudesse ter a presença deles em todos os níveis.

Desde o primeiro até o nono, os estudantes estão tendo esse contato, o que é bem importante para o aprendizado da língua”, ressaltou. 
Além da participação em sala de aula, os professores assistentes também atuarão no projeto de extensão Internacionalização em Casa, que prevê o desenvolvimento de atividades abertas a toda a comunidade acadêmica. Segundo a professora Luciane, a previsão é que estas atividades iniciem ainda neste primeiro semestre de 2020.