Notícias UPF

Pesquisa analisa a prevalência de lesões de pele relacionadas à Covid-19

  • Por: Assessoria de Imprensa
  • Fotos: Camila Guedes

Desenvolvido por acadêmicos do curso de Medicina da UPF, estudo busca entender quais lesões o coronavírus pode causar na pele dos infectados, a fim de auxiliar na rotina de profissionais de saúde

Tosse, febre, coriza, falta de ar estão entre os mais comuns e mais conhecidos sintomas do coronavírus. No entanto, desde o início da pandemia, médicos do mundo todo já relataram uma série de diferentes sintomas, que podem ou não se manifestar nos infectados. Entre esses sintomas estão as lesões de pele. Ainda no início de maio, o jornal espanhol El País apresentou uma matéria sobre um artigo publicado no British Journal of Dermatology. Assinado pela professora Cristina Galván Casas e sua equipe, da Academia Espanhola de Dermatologia e Doenças Venéreas (AEDV), o artigo sugeria a associação do coronavírus com cinco tipos de manifestações cutâneas diferentes.

Artigos como esse serviram como base para que acadêmicos do curso de Medicina da Universidade de Passo Fundo (UPF) dessem início a um estudo de revisão sobre as manifestações cutâneas da Covid-19. A ideia, segundo os estudantes, surgiu após uma aula da disciplina de Seminário Interdisciplinar, em que os acadêmicos leram artigos de revisão e relatos de casos sobre as manifestações cutâneas mais prevalentes no coronavírus. “Nós decidimos fazer essa pesquisa haja vista uma notada prevalência dessas lesões de pele nos pacientes da Covid-19”, explica a acadêmica Yasmin Dalla Vecchia de Souza.

A pesquisa coordenada pela professora Me. Gilvana Bonella teve início ainda em aula com a análise e leitura de artigos que foram publicados desde o início do ano em que os pacientes tinham suspeita ou confirmação da Covid-19 e lesões de pele relacionadas. De acordo com a professora, após uma primeira análise, foram selecionados 22 artigos. “Todos esses artigos analisados contêm foto ou biópsia em que a gente pode fazer uma análise mais íntegra e fiel da relação dessas lesões com a Covid-19”, comenta a acadêmica Laura Piovezani. No momento, os estudantes estão na fase de ler, fazer análise e resumo dos artigos.

O objetivo do estudo é verificar a prevalência das manifestações dermatológicas relacionadas à infecção viral pela Sars-Cov-2, assim como entender quais são as lesões elementares que o coronavírus pode causar na pele dos infectados, de forma a auxiliar a rotina dos profissionais de saúde. “Nós buscamos aproximar o conhecimento acadêmico com a realidade médica e também com a comunidade, a fim de facilitar o entendimento e o conhecimento de que as manifestações cutâneas também podem estar no rol de sinais e sintomas dessa doença que ainda é tão imprevisível”, completa a estudante Vanessa Guse.

Além de Yasmin, Laura e Vanessa, o grupo também conta com a participação dos acadêmicos Ana Paula Vedana Marin, Gabriel Tarasconi Zanin e Arieli Acatrolli Fucks. “A partir de agora, eles têm 30 dias para fazer uma pré-escrita que vai resultar em um artigo de revisão”, destaca a professora, lembrando que todas as etapas do estudo estão sendo realizadas de forma on-line.