Notícias UPF

Uma estação cheia de leitura e literatura

  • Por: Assessoria de Imprensa
  • Fotos: Natália Fávero e Camila Guedes

Estação de Leitura do projeto Jornada em Movimento 2018 envolveu a comunidade do bairro São Luiz Gonzaga

A Estação de Leitura das Jornadas Literárias de Passo Fundo, que faz parte do projeto Jornada em Movimento 2018, envolveu, nesta terça-feira, 30 de outubro, a comunidade do bairro São Luiz Gonzaga. O palco do evento foi a Escola Municipal São Luiz Gonzaga e a rua em frente à instituição de ensino, onde as histórias dos livros dos escritores César Obeid, Antonio Schimeneck, Anna Lee, Simone Pedersen, Helena Gomes e Bento de Luca, se transformaram em exposições, música, dança e teatro. 

Estudantes e professores da escola compartilharam suas produções e percepções acerca das obras literárias dos escritores, após dois meses de trabalho. As interpretações e os trabalhos apresentados na rua em frente à escola também foram contemplados pelas famílias dos estudantes e pela comunidade do bairro. O diretor Sirio Chies enfatizou que foi um desafio, mas que com a dedicação dos professores e alunos, a atividade foi desempenhada com êxito. “Nada é feito sem esforço e dedicação. É assim que se constitui uma sociedade e leitores que darão bons frutos na vida. O empenho dos professores, dos alunos e da comunidade, foi fundamental”, ressaltou o diretor da escola.

Esforço que valeu a pena e engajou os alunos, que, inspirados em contextos das obras lidas, também trouxeram a realidade das lutas sociais. A luta pelos direitos das mulheres inspirou estudantes a representarem ícones feministas como a artista mexicana Frida Kahlo, a atriz Marilyn Monroe, a vereadora Marielle Franco, a farmacêutica Maria da Penha – que inspirou a Lei para coibir a violência contra a mulher – e a jovem paquistanesa Malala Yousafzai. “Minha professora disse que sou parecida com a Marielle Franco na aparência e nas atitudes. Ajudo o próximo e admiro a Marielle, que lutou pelos direitos das mulheres. Matar uma mulher porque está defendendo o direito das pessoas é um crime horrível”, declarou a estudante Brenda Rodrigues Frigeri, 14 anos, que representou Marielle durante o evento. 

O evento, que tem essa característica de aproximar a leitura e a literatura da comunidade, foi elogiado pela representante da Secretaria Municipal de Educação, secretária adjunta Jeanete Basso. “Ficamos muito felizes de ver a vontade, a alegria e a dedicação de vocês em fazer esses trabalhos. Prova o envolvimento da comunidade. São momentos inesquecíveis e são leituras que os alunos levarão para a vida”, salientou Jeanete.

E por trás de todo esse trabalho na escola, existem incentivadores da leitura e da literatura: os agentes de leitura. “Sou agente de leitura e uma apaixonada por literatura e livros. É importante despertar uma prática, para ter gosto pela leitura, tem que praticar. E hoje, com tantos meios tecnológicos que atraem os nossos jovens, percebemos que eles também têm uma fome por leitura e por cultura, e isso faz parte da formação do ser”, afirmou a agente de leitura, professora da escola, Vanessa Hickmann.

Movimentação permanente 
Essa foi a última Estação de Leitura do ano, em Passo Fundo. Uma outra ainda deve ocorrer no dia 10 de novembro, na Escola Vinte e Oito de Fevereiro, no município de Marau. Na avaliação de um dos coordenadores das Jornadas Literárias, professor Dr. Miguel Rettenmaier, o resultado do projeto Jornada em Movimento foi ótimo, tendo em vista todas as dificuldades e obstáculos que se impuseram. “Nós temos aqui a realização de todo um trabalho que envolveu uma comunidade naquele aspecto que para nós é muito caro, muito importante: a noção de que a formação do leitor se dá em termos individuais, subjetivos, mas também comunitários. É importante, para formar leitores, a consciência de que nós devemos formar comunidades leitoras”, disse o professor, ressaltando que a ideia da coordenação é que as Estações de Leitura, em anos intermediários à Jornada, sejam cada vez mais plurais e numerosas. “Esse é o nosso interesse a fim de que a Jornada se confirme naquilo que ela já é, uma movimentação permanente de formação de leitores”, completou. 

Sobre o projeto Jornada em Movimento
O projeto Jornada em Movimento foi criado em 2018 pelas Jornadas Literárias da Universidade de Passo Fundo (UPF). Com uma ação intitulada “Caminhos e estações: leitores e autores”, o projeto está sendo desenvolvido em Passo Fundo e nos municípios de Marau e Lagoa Vermelha em três momentos, que incluem o curso de extensão “A leitura multiplicada: a formação do agente de leitura”, as Estações de Leitura e o Encontro com Escritores. A programação segue até o final do ano. Mais informações no site www.upf.br/16jornada.

Documentário
Nesta quarta-feira, dia 31 de outubro, também ocorre o lançamento do documentário da 16ª Jornada Nacional de Literatura e 8ª Jornadinha Nacional de Literatura. O lançamento e a exibição do documentário ocorrem no auditório da Biblioteca Central, Campus I da UPF, às 19h30min.