Notícias UPF

Na sala de aula e no campo

  • Por: Assessoria de Imprensa
  • Fotos: Caroline Simor

Pesquisas desenvolvidas pela Universidade levam ao produtor informações e conhecimento

Uma das principais funções da pesquisa é a resolução de problemas presentes na sociedade. É assim que os pesquisadores da Universidade de Passo Fundo (UPF) atuam. Pensando em compartilhar experiências, resultados e informações, a mestranda do Programa de Pós-Graduação em Agronomia (PPGAgro), Serleni Sossmeier, recebe produtores rurais e técnicos de empresas do ramo do agronegócio durante a 21ª Expodireto Cotrijal. A ideia é levar informações e orientações sobre a Amaranthus Hybridus, espécie de planta daninha, conhecida como caruru e presente em quase todo o Estado do Rio Grande do Sul. O serviço ocorre por meio de uma parceria entre o Programa e a Syngenta.

Serleni destaca que a espécie é bastante conhecida no estado e que, desde o ano passado, surgem relatos demonstrando resistência da planta aos principais pesticidas existentes no mercado, entre eles o glifosato. “Estamos alertando tanto o corpo técnico das empresas, como também os produtores, quanto a essa resistência. Passamos características dessa planta para que eles possam identificar no campo, mostrando as diferenças que ela apresenta, em comparação com as outras espécies”, ressalta a mestranda que é orientada pelo professor Dr. Mauro Rizzardi.

Uma planta com características específicas
Para auxiliar o produtor e os técnicos, a mestranda apresenta as principais características da Amaranthus, visando auxiliar na visualização em campo num período de crescimento que permita o uso de produtos. 

Segundo Serleni, entre os principais diferenciais, estão o seu pecíolo (segmento da folha que a prende ao ramo ou tronco) mais longo do que a extensão da folha, a existência de variedades diferentes, uma vez que a folha pode ser tanto vermelha quanto verde, o sistema radicular bastante agressivo e o fato de ser uma planta que facilmente pode ultrapassar os dois metros de altura, se não for controlada a tempo. “O principal problema é que sua folha larga é de difícil controle na soja e a maioria dos cultivares disponíveis no mercado tem resistência ao glifosato, o que impede a utilização do produto em pós-emergência. Hoje verificamos focos de resistência em todo o estado, então, nosso objetivo é acender a luz de alerta do produtor e do corpo técnico para a existência da planta e a necessidade da sua rápida identificação, visto que apenas uma planta produz mais de 200 mil sementes”, explica, lembrando que, além da identificação, uma das ações mais importantes para o seu controle é a limpeza do maquinário.

UPF na Expodireto
Até esta sexta-feira, dia 6, é possível visitar o estante da UPF na Expodireto Cotrijal. Um espaço amplo e pensado para oferecer aos visitantes a experiência de visualizar de perto um pouco das ações, projetos, pesquisas, produtos e serviços oferecidos e desenvolvidos pela Universidade.

Além disso, a UPF também está presente na Arena Digital, apresentando ao público as novidades na área da tecnologia e inovação.