Notícias UPF

A contribuição das Salas Temáticas da UPF para a educação

  • Por: Assessoria de Imprensa
  • Fotos: Natália Fávero

Cerca de 2,2 mil gestores da área da educação e professores da região participaram das atividades das Salas Temáticas nestes três anos de atuação

As Salas Temáticas da Faculdade de Educação da Universidade de Passo Fundo (Faed/UPF) visam à formação continuada de professores da educação básica. A atividade, que ocorre desde 2016 e está em sua 3ª edição, é promovida pelo Grupo de Pesquisa e Extensão e Políticas e Gestão da Educação (GPEPGE) e pelo Centro Regional de Educação (CRE) da Faed. Nesses três anos de atuação, cerca de 2,2 mil gestores, da área da educação e outras, e professores da região participaram das atividades. 



Na primeira edição das Salas Temáticas, o tema discutido foi “Gestão democrática da escola - desafios e possibilidades”. Em 2017, o tema escolhido foi “Coordenação pedagógica: para além do ‘apagar incêndios”. Nesta terceira edição, em 2018, a temática trabalhada é “Gestão do projeto político-pedagógico: das decisões às práticas pedagógicas”.
  
Os encontros são abertos para professores, coordenadores pedagógicos, diretores, secretários e assessores das Secretarias municipais, equipes pedagógicas das Coordenadorias Regionais de Educação, acadêmicos e professores das licenciaturas e da pós-graduação, entre outros interessados. Os participantes são de Passo Fundo e de outros municípios da região, como Camargo, Charrua, Coxilha, Ernestina, Lagoa dos Três Cantos, Soledade, Tapera e Tio Hugo.

A coordenadora do GPEPGE, professora Dra. Eliara Zavieruka Levinski, enfatiza que os gestores da educação básica não contam com um programa de gestão continuada específico para eles. “São profissionais professores, que certo dia se tornam gestores. A formação de gestores como diretores, coordenadores pedagógicos, vice-diretores e secretários de educação não é colocada como prioridade. A prioridade é para o conjunto de professores, mas o oficio, as atribuições e as discussões sobre a própria prática pedagógica na gestão, como algo específico dessas funções, não é discutida, não é refletida”, pontuou Eliara.

Para atender a essa necessidade, o GPEPGE e o CRE da Faed assumiram um trabalho para a formação continuada desses profissionais na região. “Acabamos mobilizando a região. Hoje, 95% dos participantes vêm desde a primeira Sala Temática”, revelou a professora.

Compromisso com a formação de professores
Os resultados desse trabalho de formação contribuem para a melhoria da qualidade da educação, indo ao encontro da “Campanha Educar é a Nossa Ação” da UPF, que pretende chamar a atenção da sociedade para a importância de uma educação de qualidade. Para saber mais sobre a campanha, acesse www.upf.br/educar



A coordenadora do GPEPGE destaca que esse trabalho de formação de professores, esse compromisso social e pedagógico da UPF com a educação, faz parte da essência da Universidade desde os seus primórdios. “Esse abraçar do educar é mais uma representação do compromisso da Universidade com a formação de professores. Tratar da temática gestão da educação e da escola implica dizer que o processo educativo da nossa região, vinculado às escolas e aos espaços não escolares, influencia nos índices de qualidade da educação pública”, declarou a professora Eliara.

Relatos de experiências
“Gestão do projeto político-pedagógico: das decisões às práticas pedagógicas” foi o tema deste ano das Salas Temáticas, que emergiu das avaliações realizadas pelos participantes da edição anterior, dos estudos e de discussões do campo das políticas educacionais e das experiências dos profissionais da educação que estão atuando no cotidiano das escolas, dos sistemas e redes de ensino. O encerramento da terceira edição foi realizado na tarde de quarta-feira, 7 de novembro, na Faed. 



Os relatos de experiências socializados no encontro mostram as contribuições das Salas Temáticas para a melhoria da educação. A coordenadora pedagógica, Luciana Rizzi, do Instituto Estadual de Educação Nossa Senhora Imaculada de Tapera, com cerca de 650 estudantes, revela que participa dos encontros desde a primeira edição e comenta que essa participação rendeu muitas ideias para implementar na escola. “Participar das Salas Temáticas agrega novos campos de conhecimento, outras leituras, nos faz repensar nossas práticas enquanto grupo gestor, possibilitando outras vivências. Neste ano, em especial, que olhamos para o Projeto Político Pedagógico, os trabalhos abriram muitas possibilidades para pensar ações concretas na escola”, salientou Luciana.

As Salas Temáticas também proporcionam o suporte que os gestores necessitam. “Participo desde 2016 e elas nos dão suporte e nos proporcionam trocas de experiências. Mostram que os seus colegas têm desafios tanto quanto você e outros colegas que já passaram por desafios semelhantes trazem soluções. A Sala Temática nos fortalece”, enfatizou a professora Jaqueline Teixeira Dias de Castro, diretora da Escola Ledina Gradaschi, de Soledade.

A coordenadora pedagógica da Escola Prestes Guimarães de Passo Fundo, Itatiane Chiaradia, também socializa sua experiência. “Comecei há pouco tempo a participar, mas já aprendi muito. Estamos sempre em construção. Quando você vai para a coordenação, não há um manual. Temos que aprender qual é o nosso trabalho. E a Universidade nos dá esse suporte. Estar próximo da UPF nos fortalece, nos preenche, nos alimenta para um desenvolvimento que reflete na escola”, observa a coordenadora pedagógica.

Uma das novidades deste ano também foi o estágio curricular obrigatório de acadêmicas do curso de Pedagogia desenvolvido dentro do projeto de extensão GPEPGE. “O curso de Pedagogia inaugura uma prática de estágio curricular obrigatório no projeto de extensão. É a primeira vez que isso ocorre na Faed. As alunas acompanharam durante o segundo semestre as vivências, coordenaram trabalhos, assumiram momentos da formação com os gestores como uma prática de estágio curricular”, comentou a professora coordenadora do GPEPGE.