Notícias UPF

Simpósio Zebrafish movimenta pesquisadores em Natal

  • Por: Assessoria de Imprensa
  • Fotos: Divulgação

Evento iniciado na UPF chega à sua 5ª edição consolidado como um encontro para promover o conhecimento e a troca de experiências

De 4 a 6 de setembro, a Universidade Federal do Rio Grande do Norte recebeu professores, estudantes e pesquisadores para o V Simpósio Zebrafish como modelo animal de pesquisa. Durante os três dias, uma programação intensa movimentou os participantes no Centro de Biociências, em Natal. A Universidade de Passo Fundo (UPF), precursora do evento, segue como apoiadora. Nesta edição, estiveram presentes o professor Dr. Leonardo José Gil Barcellos, docente dos Programas de Pós-Graduação em Bioexperimentação (PPGBioexp) e em Ciências Ambientais (PPGCiAmb) da UPF e do Programa de Pós-Graduação em Farmacologia (PPGFarm) da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM); a estudante de Medicina Veterinária e bolsista de iniciação científica Carolina Geraldi; as mestres pelo PPGBioexp e doutorandas do PPGFarm da UFSM Karina Kirsten e Suelem Mendonça Soares; a doutoranda do PPGFarm da UFSM Fabiana Kalichak;  a pós-doutoranda pelo PPGBioexp Gessi Koakoski; a ex-docente da UPF Michele Fagundes; e o pós-doutorando do PPGCiamb da UPF Tiago Acosta Oliveira.

Entre os assuntos abordados durante o Simpósio, estiveram os principais temas da biologia, interconectados com painéis institucionais e interinstitucionais e apresentados por pesquisadores em áreas distintas nas quais o zebrafish é utilizado como modelo animal. Para o professor Barcellos, o evento já está consolidado e o trabalho iniciado na UPF tem ampliado os debates, promovendo cada vez mais o conhecimento e a troca de experiências. “Em cada edição, vemos o quanto pesquisadores, professores e estudantes buscam informações e desenvolvem pesquisas envolvendo o zebrafish. Essa troca gera mais conhecimento e impulsiona a produção científica das universidades. É uma alegria para todos que participaram desde o início ver que crescemos e continuamos ampliando a programação”, destacou.

Um dos momentos importantes, segundo Barcellos, é a participação de jovens pesquisadores ligados aos projetos de iniciação científica da Instituição, como a acadêmica do curso de Medicina Veterinária da UPF, Carolina Geraldi. Para ela, participar do Simpósio foi uma oportunidade de aprender e de buscar a certeza pela caminhada na área da pesquisa. “A iniciação científica abre tantas portas na minha trajetória acadêmica que cada vez mais carrego a certeza de que meu futuro é a ciência, a pesquisa, a docência. Estar ainda na graduação e já ter a honra de participar de um evento como esse foi demais. Tive a oportunidade de conhecer cientistas das maiores instituições do Brasil, trocar contatos e convites para visitar essas universidades, e confirmar que, em termos de pesquisa, a UPF carrega um nome grandioso no nosso país. Estar no meio de cientistas de renome, engajados, amantes da ciência, filtrando suas ideias, conhecimentos e experiências, desde a graduação é, sem dúvidas, a melhor escolha que fiz para moldar meu futuro profissional. O Simpósio permitiu que eu me sentisse ainda mais cientista; foi um aprendizado de anos vivido em três dias gratificantes. Registro o meu agradecimento ao nosso grupo do laboratório de fisiologia de peixes, que, por meio da iniciação científica, me coloca em contato com aprendizados tão grandiosos desde cedo, que me dão inspiração e incentivo no mundo da ciência. Aprender com vocês é demais”, destacou a acadêmica. 

Aprendizado, interação e troca de experiências
A Dra. Gessi Koakoski, formada em Medicina Veterinária pela UPF e atualmente pós-doutoranda em Bioexperimentação Animal também pela Universidade, participa desde o início dos Simpósios. Para ela, participar do V Zebrafish foi importante pela troca de experiência, pelo contato com novos conhecimentos e pela integração com pesquisadores renomados da área. “Foi uma ótima oportunidade de se atualizar e de se envolver com novas pesquisas que estão sendo realizadas com o modelo animal zebrafish. O espaço de apresentação de trabalhos científicos foi um momento oportuno para divulgar nossos estudos para um grupo seleto de profissionais, nos motivando a assumir uma postura mais crítica sobre o assunto, pois foi um momento de novas realidades, experiências e convivências que se transformam em novas aprendizagens”, ressaltou.

A professora Dra. Carla Bonan (PUCRS), que criou o evento juntamente com o professor Leonardo em 2014, também esteve presente nessa edição, que foi coordenada pela professora Dra. Ana Carolina Luchiari.

Barcellos proferiu duas palestras. A primeira, na abertura do evento, teve como tema “Consolidation and future of the zebrafish symposium” e foi proferida conjuntamente com a Profa. Carla Bonan. A segunda, por sua vez, intitulada “Zebrafish welfare: do we consider our experimental fish as sentient individuals?”, teve como temática o bem-estar dos peixes usados em pesquisas. “Essa temática do bem-estar dos peixes experimentais é atual e extremamente importante, suscitando o maior e mais intenso debate de todo o evento”, salienta Barcellos.

Os trabalhos científicos apresentados foram “The pigment phycocyanin as an antioxidant in aquaculture” de autoria da acadêmica Carolina Geraldi da Silva; “Waterborne risperidone decrease predator response in zebrafish: effects on adult and their offspring”, de Fabiana Kalichak; “Relationship between immune system and behavior in zebrafish”, de Karina Kirsten; e “Housing and sex effects in Zebrafish Behavior”, de Suelen Soares.

O VI Simposio Zebrafish ocorrerá na Faculdade de Medicina da USP, em setembro de 2019.