Notícias UPF

Um encontro com a natureza

  • Por: Alessandra Pasinato
  • Fotos: Alessandra Pasinato

Reitora da UPF visitou a RPPN nesta quarta-feira, 5 de dezembro, conhecendo de perto a área preservada dentro do campus universitário

O frescor que se sente da sombra na mata, o cheiro que emana das folhas e flores, o canto dos pássaros ecoando em melodia, o som de água corrente descendo o fluxo do rio e aquela sensação de paz e tranquilidade que recarrega as energias. A manhã desta quarta-feira, dia 5 de dezembro, foi de encontro com a natureza para a reitora da Universidade de Passo Fundo (UPF), Dra. Bernadete Maria Dalmolin, e para um grupo de funcionários da Reitoria, que visitaram a Reserva Particular do Patrimônio Natural da Fundação Universidade de Passo Fundo (FUPF), a RPPN UPF. O passeio foi um convite do professor Dr. Jaime Martinez, que coordena o projeto de extensão “RPPN UPF: área protegida educadora” e recebe visitantes para uma trilha interpretativa na reserva.

Longe dos muros de concreto, a reitora e a equipe tiveram a oportunidade de vivenciar uma imersão no ambiente natural que fica dentro do espaço da Universidade. “É um momento de encontro com a natureza”, disse ela, citando que relembrou muitas experiências vividas na natureza. “Conheci um enorme patrimônio que a UPF tem e que pode e deve ser explorado, no sentido do aprendizado e da preservação”, apontou Bernadete. Segundo ela, é preciso que o espaço seja amplamente conhecido, vivido, e sirva de aprendizado para muitas pessoas.

Antes de iniciar a trilha de cerca de 2km, o grupo conheceu um pouco sobre a RPPN, espaço de 32 hectares que era campo e atualmente tem sido intocado. “A reserva vem se regenerando há 9 anos. Há 2 anos, celebramos a regulamentação da reserva natural e um intenso trabalho de consciência coletiva para preservação”, destacou Martinez. Durante o percurso da trilha, o professor explicou o processo de desenvolvimento da vegetação plantada pela natureza. Carqueja, vassouras e timbó compõem a paisagem primária: o capoeirão que sombreia o ambiente e dá sustentação para o crescimento de outras espécies nativas. “Quem planta a floresta é a fauna. Há uma relação de interdependência entre fauna e flora”, comentou, mostrando exemplares de plantas nativas, exemplares exóticas e também frutíferas como guaviroba, vacum, cerejeira e uvaia. “Nossa salada de frutas nativa”, brincou.

Presente na atividade, a diretora do Instituto de Ciências Biológicas (ICB), professora Dra. Marilene Rodrigues Portella, lembrou do timbo, que, em sua infância, era usado como repelente natural nos galpões da propriedade dos pais em Mormaço, região de Soledade. O grupo também conheceu uma araucária tricentenária que está presente na RPPN e também pôde relembrar momentos passados de coleta de pinhões e brincadeiras em cipós. A atividade contou com a participação do assessor da Reitoria, professor Dr. Julio Bertolin; da chefe de gabinete Adriane Caser e da secretária Cândida Vargas. A visita foi acompanhada pela acadêmica e bolsista do Paidex, Alana Gabriele Gomes, do curso de Ciências Biológicas licenciatura. Depois de percorrer a trilha, o grupo fez um brinde com água límpida, direto da fonte.