Notícias UPF

Rede de Pesquisa em Acervos e Patrimônio Cultural divulga reunião e aula aberta

  • Por: Assessoria de Imprensa
  • Fotos: Divulgação

A Rede de Pesquisa em Acervos e Patrimônio Cultural (REPAC), vinculada ao Núcleo de Estudos de Memória e Cultura (NEMEC), ligados à Linha Cultura e Patrimônio do Programa de Pós-Graduação em História (PPGH) da UPF, convida a comunidade para duas importantes atividades: a reunião de início as ações, marcada para o dia 14 de setembro, às 19h, e a aula aberta, que será realizada no dia 18 de setembro, a partir das 19h30min.

A reunião, no dia 14 de setembro, às 19 horas, será virtual e o acesso deve ser solicitado pelo e-mail repacacervos@gmail.com.  

Já a aula aberta, terá como tema “Acervos Documentais: formação, trajetória e preservação em instituições de memória” e ocorrerá no dia 18 de setembro, às 19h30min. A temática será abordada pela Arquivista e Mestre em História Ana Inès Arce. 

Para participar é preciso realizar inscrição, mediante preenchimento de formulário, disponível aqui. O link de acesso será posteriormente enviado aos inscritos.

O trabalho da Rede
Nos últimos anos, o grupo tem acompanhado a progressiva importância que a temática do Patrimônio Cultural tem assumido, a partir de múltiplas abordagens e problematizações. Essas discussões possibilitaram que o conceito de Patrimônio fosse apresentado, discutido e articulado em diversas dimensões em eventos, publicações e projetos, além do próprio alargamento do conceito.

A REPAC, pautando sua compreensão na articulação às políticas culturais e patrimoniais em voga e em debate no país, estado e municípios, objetiva reunir profissionais e pesquisadores das diversas áreas do conhecimento, estudantes de graduação e pós-graduação, bem como interessados e pessoas ligadas a espaços de memória, das mais diversas localidades, para potencializar a troca de saberes e de técnicas. 

Para consolidar a proposta de “rede”, a REPAC quer ampliar a parceria com as instituições de memória e custódia, como museus, arquivos, casas de cultura, centros de memória, institutos históricos.  

A proposta contempla o investimento em discussão de textos, debates, troca de experiências entre membros do grupo e convidados, de forma crescente e periódica, com a proposição de cursos e oficinas, com vistas a divulgar e consolidar iniciativas em torno das ações pró-patrimônio e acervos.