Notícias UPF

Projeto Charão recebe homenagem do Parque das Aves de Foz do Iguaçu

  • Por: Assessoria de Imprensa
  • Fotos: Divulgação/UPF

A atuação de quase três décadas no estudo e na proteção do papagaio-charão e há 10 anos na pesquisa e conservação do papagaio-de-peito-roxo realizada pelo Projeto Charão, conduzido pelo Instituto de Ciências Biológicas da Universidade de Passo Fundo (ICB/UPF) e pela Associação Amigos do Meio Ambiente (AMA), renderam uma homenagem do Parque das Aves de Foz do Iguaçu.

O projeto Charão, assim como diversos projetos que trabalham com pesquisa e conservação das aves da Mata Atlântica, receberam a homenagem no dia 2 de maio, em Foz do Iguaçu, no Paraná. Participaram da solenidade o professor Dr. Jaime Martinez, pela UPF, e a Dra. Nêmora Pauletti Prestes, representando a AMA.

Parque das Aves

O Parque das Aves se destaca mundialmente por ser o zoológico de aves mais visitado em todo o mundo, com cerca de 850 mil visitantes por ano. Além de buscar apresentar os animais de uma maneira diferenciada, o espaço busca aproximar ao máximo de seus hábitats naturais e assumiu a missão de atuar na conservação das espécies ameaçadas da Mata Atlântica.

Para Martinez, a homenagem ao Projeto Charão se deu pela atuação na pesquisa e conservação de duas espécies ameaçadas: o papagaio-charão e o papagaio-de-peito-roxo. “Tivemos uma aproximação e reunimos esforços para ampliar o grau de conservação de espécies ameaçadas”, aponta ele, citando a felicidade em receber o reconhecimento.

Esforços coletivos

Segundo o professor, todo o sistema de comunicação do Parque das Aves foi modificado, buscando levar aos visitantes informações objetivas sobre as necessidades das espécies, e as ações necessárias para envolvimento do público na conservação das aves da Mata Atlântica. “Outros projetos homenageados foram o do mutum do nordeste, do papagaio-de-cara-roxa, papagaio-verdadeiro, periquito-cara-suja e aves do Paraná, pela dedicação de buscar evitar a extinção de aves desse bioma, atuando em diversas regiões do Brasil”, comenta ele.