Notícias UPF

Máquinas para qualificar a atuação do Cepagro

  • Por: Assessoria de Imprensa
  • Fotos: Divulgação

Nesta quarta-feira (9), Centro de Extensão e Pesquisa Agropecuária recebeu dois novos tratores e uma plantadeira para serem utilizados em diversas atividades

O Centro de Extensão e Pesquisa Agropecuária (Cepagro) da Universidade de Passo Fundo (UPF) se destaca pelo intenso trabalho desenvolvido junto ao setor agropecuário. E como forma de qualificar ainda mais as atividades já realizadas no local, bem como a produção de conhecimento, nesta quarta-feira, 9 de setembro, foram entregues dois novos tratores e uma plantadeira, que serão utilizados nas várias ações do Centro.

A entrega dos equipamentos foi feita pela empresa AGCO, que atua no desenvolvimento, fabricação e distribuição de máquinas agrícolas, com o intuito de ampliar a parceria já firmada entre Cepagro/UPF e Razera Agrícola. Os tratores devem ser utilizados principalmente pela empresa Laticínios Stefanello, também parceira do Cepagro na área de produção de leite. Eles ainda poderão ser usados em atividades nas áreas de horticultura e plantio de soja, por exemplo.

Segundo o coordenador do Cepagro, professor Dr. Fernando Pilotto, o trabalho conjunto com as empresas visa proporcionar melhores condições de aprendizado para os estudantes, com equipamentos modernos e tecnológicos.

Oportunidade de crescimento

Na opinião do diretor da Faculdade de Agronomia e Medicina Veterinária da UPF, professor Dr. Eraldo Zanella, ao trazer estas parcerias para dentro da UPF, é possível interagir com as empresas das diferentes áreas do setor agropecuário e ter um contato próximo das necessidades para poder ter um crescimento mútuo, em especial realizar pesquisas e inovação na área. “Podemos, desta forma, melhorar a infraestrutura e oferecer maquinários de ponta para uso e/ou demonstração para nossos estudantes da graduação e pós-graduação”, comenta.

Ainda, conforme Zanella, também há o interesse em desenvolver trabalhos de pesquisa envolvendo os acadêmicos de graduação, com eles sendo estagiários, interagindo com as empresas e visando uma capacitação deles nas áreas com maior procura no futuro. “A parceria entre empresas privadas e academia deverá ter ganhos para todos os elos da cadeia do agronegócio”, finaliza.