Notícias UPF

Festival de Cinema Integrado chega à sua 12ª edição

  • Por: Assessoria de Imprensa
  • Fotos: Camila Guedes

Evento foi lançado na manhã desta quinta-feira, 23 de maio, para estudantes e professores do Integrado UPF

No ano em que o Centro de Ensino Médio Integrado da Fundação Universidade de Passo Fundo (Integrado UPF/FUPF) comemora 30 anos, um dos maiores eventos da escola chega à sua 12ª edição: o Festival de Cinema Integrado. Criado em 2008, o evento promove aos estudantes de Ensino Médio e seus familiares o contato com obras da literatura brasileira e universal, incentivando a leitura e a produção textual e despertando o interesse pela cultura de vários espaços e épocas. A edição deste ano do Festival foi lançada na tarde desta quinta-feira, dia 23 de maio, no auditório da Faculdade de Odontologia (FO), para estudantes e professores da escola. 

Desde o início, o Festival de Cinema propõe aos alunos a transformação de textos literários em curtas-metragens. Originalmente, a atividade era desenvolvida pelos alunos concluintes, do 3º ano, e, a partir de 2017, passou a envolver os estudantes do 2º ano. A ação agrega as disciplinas de Literatura Brasileira, Redação, Língua Portuguesa, Língua Inglesa e Língua Espanhola. Divididos em nove grupos, os cerca de 110 estudantes produzirão nove curtas a partir de uma variedade de contos. Entre eles, estão produções de escritores como Lima Barreto, Lígia Fagundes Teles, Moacyr Scliar, O. Henry e Juliano Cortazar. 

Um evento que se solidificou
Na opinião da coordenadora da atividade, professora Nara Marley Alessio, o Festival de Cinema atingiu a sua maioridade, já que vem acontecendo há 12 anos sem nenhuma interrupção, o que, segundo ela, mostra que a ação se solidificou. “É um evento que prova que o professor não deve se limitar pela fronteira do quadro, da parede. Ele deve seguir o que é, inclusive, a ideia da nossa Universidade, que é uma educação sem fronteiras porque os nossos curtas vão para o mundo. Você não está apenas em uma escola, você está em uma escola dando aula de literatura, de ética, de linguagens, de vivências”, destacou a professora. 

Outro ponto importante lembrado por Nara é a abrangência dos temas que são trabalhados nas leituras que darão origem aos curtas. “O Festival não é temático, mas a gente faz uma triagem cuidadosa. É como se estivéssemos lapidando um diamante, para que os textos caiam nas mãos deles e façam eles pensar. Sobre tudo, sobre a vida. É muito clichê dizer que a literatura imita a vida, mas é o que nós temos. Então, eles têm que experienciar, sair da ficção e ir para o mundo lá fora”, completou. 

Para o diretor do Integrado, professor Jonir Dalbosco, o Festival de Cinema foi um precursor em um movimento constante de educação, de cultura e de interdisciplinaridade que leva o nome do Integrado e da UPF. “É um espetáculo tão grande que sai da sala de aula e se torna municipal, porque todos já ouviram falar sobre o Festival de Cinema. Outras escolas se inspiraram no modelo e a gente fica muito feliz porque o conhecimento não deve ficar engavetado. Aquilo que é bom tem que ser compartilhado. Nós consideramos o Festival de Cinema um dos maiores eventos que o Integrado tem”, disse. 

12ª edição
Ainda durante o lançamento, foram realizados os sorteios dos textos. Cada grupo recebeu quatro textos, dois em língua portuguesa, um em língua inglesa e um em língua espanhola. A primeira tarefa será ler os textos, escolher um, e, a partir dele, montar o roteiro do curta. O trabalho durará em torno de cinco meses. Nesse tempo, os estudantes terão oficinas de cinema com os professores da Faculdade de Artes e Educação (FAC), que também darão o suporte para as filmagens e a edição.

Todos os nove curtas serão apresentados em um evento de gala que ocorre no dia 8 de novembro, a partir das 19h30min, no Centro de Eventos da UPF. Nessa mesma noite, os trabalhos serão avaliados por um corpo de jurados e premiados em 10 categorias – sonoplastia, direção de arte, atriz coadjuvante, ator coadjuvante, atriz, ator, direção, cartaz, resenha e melhor filme.  Essa é a primeira vez que o tempo para produção é maior e que a apresentação fica para o segundo semestre do ano. “Essa é outra novidade, fazer o encerramento no segundo semestre, porque favorece mais maturidade, faz com que a caminhada seja um pouquinho mais tranquila para que eles possam curtir melhor cada etapa”, explicou a professora Nara.