Notícias UPF

Coronavírus: frequentar locais públicos neste momento não é sensato

  • Por: Assessoria de Imprensa
  • Fotos: Divulgação

Com a chegada do final de semana, orientação direcionada especialmente ao público jovem é de que evitem festas e aglomerações a fim de diminuir a disseminação do coronavírus

A Universidade de Passo Fundo (UPF), assim como demais instituições de ensino em diferentes níveis, cancelou, desde a noite de segunda-feira (16), as atividades acadêmicas presenciais, conforme orientação publicada no mesmo dia. Até, pelo menos, o dia 28 de março, as atividades acadêmicas seguem de forma on-line para as disciplinas que permitam essa possibilidade. No entanto, apesar de não frequentarem os espaços da Universidade, é importante lembrar aos estudantes que este não é um período de férias ou de folga, por isso devem evitar aglomerações, confraternizações, festas ou outras situações que possam facilitar a disseminação do coronavírus. A mesma orientação vale para toda a comunidade, especialmente às pessoas que compreendem o grupo de risco.

O professor da Faculdade de Medicina da UPF, integrante do Comitê de Prevenção e Controle do Covid-19 da Fundação UPF, e médico infectologista do Hospital São Vicente de Paulo (HSVP), Me. Gilberto Barbosa lembra que toda a sociedade está fazendo um esforço cancelando aulas, atendimentos, reduzindo atividades de trabalho e necessidade de deslocamento buscando uma mudança de hábito neste período de pandemia. No entanto, essa redução de atividades de trabalho e estudo não deve ser usada para realização de encontros, festas ou qualquer tipo de atividade com aglomeração. “Se as pessoas, estando paradas, começarem a ter essas diversas formas de aglomerações, perde totalmente o sentido desse esforço feito para bloquear a disseminação mais rápida do vírus”, ressalta.

Professor Gilberto explica a importância das pessoas evitarem atividades em grupos

Barbosa enfatiza que todas as medidas adotadas até o momento têm como intuito reduzir a velocidade de avanço do vírus. “Importante salientar que países europeus em fase mais adiantada da pandemia estão dando uma valorização muito grande para essa questão do distanciamento. Está muito bem documentada essa questão de que quando você fica em casa, não se agrupa, isso tem como repercussão muito grande no número de casos”, argumenta. 

O professor ainda esclarece que mesmo adotando as medidas não significa que não ocorrerão casos na região. “Isso garante que tenhamos número de casos com crescimento mais lento e possibilita que o sistema de saúde possa atender essas pessoas que venham a ficar doentes e precisar de assistência hospitalar. É extremamente importante que as pessoas se conscientizem disso, e está muito bem documentado que esse distanciamento, manter as pessoas em casa, evitar a movimentação de transporte para trabalho, isso sem dúvida tem um impacto importante”, reforça.

Preocupação e prevenção
O Diretor da Faculdade de Medicina da UPF e também integrante do Comitê de Prevenção e Controle do Covid-19 da FUPF, o médico Dr. Paulo Reichert, explica que a situação do coronavírus tem preocupado todos os profissionais da saúde devido a ele ser altamente contagioso, além de ter resistência de vários dias em superfícies de alguns materiais como madeira e metal, por exemplo. 

Ele reforça que, neste momento, é fundamental que se evite o contato com pessoas, aglomerações e locais públicos.  Além disso, em ambientes compartilhados é indicado que se mantenha as janelas abertas para que sejam arejados, além de se tomar cuidados individuais como lavar as mãos várias vezes ao dia, o uso de álcool gel, e evitar ao máximo levar a mão à boca, aos olhos ou ao nariz. “Acabamos, no geral, nos contaminando com as nossas mãos, no contato com pessoas portadoras do vírus, que muitas vezes são assintomáticas, e também por meio de objetos que alocam o vírus”, pontua.

Uso da mão não dominante
Uma dica para diminuir o risco de se contaminar ao levar a mão ao rosto é o uso da mão não dominante – a canhota para quem é destro ou vice-versa – para atividade como abrir uma porta, encostar em um corrimão ou se segurar no ônibus, por exemplo. Isso porque é mais comum que as pessoas usem a sua mão dominante para coçar os olhos ou o nariz. “Vamos ter cuidado, será uma situação muito séria de saúde pública e que durará alguns meses e todo cuidado é necessário, especialmente aos portadores de doenças crônicas e os idosos”, completa.

Fique informado
A Universidade concentra todas as orientações e comunicados referentes ao coronavírus em um único espaço para facilitar o acesso de toda a comunidade acadêmica. No site upf.br/coronavirus estão disponíveis orientações acadêmicas, informações sobre o funcionamento de serviços e atendimentos, dicas de prevenção e também os documentos e orientações oficiais que embasam as tomadas de decisões. Acesse aqui outras dicas de cuidados.

Além disso, a Prefeitura de Passo Fundo criou uma Central de Informações sobre o Coronavírus. O contato pode ser feito por telefone, e-mail ou WhatsApp. 
Confira os canais de contato:
Telefone: (54) 3313-4874 \ (54) 3046-0097
WhatsApp: (54) 99967-6279
E-mail: duvidasvg@pmpf.rs.gov.br