Notícias UPF

Tendências para as Cidades do Século XXI

  • Por: Assessoria de Imprensa
  • Fotos: Gelsoli Casagrande

Evento promovido pelo curso de Arquitetura e Urbanismo da UPF aborda temas relacionados à nova concepção de cidade

O projeto de extensão da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de Passo Fundo (Fear/UPF) Viva!Emau promove, nesta sexta-feira, 19 de maio, o evento Cidades do Século XXI. A iniciativa consiste na apresentação de trabalhos acadêmicos do curso que abordam temas relacionados à nova concepção de cidade. Ao todo, são 12 trabalhos apresentados durante a atividade.

Coordenadora da iniciativa, a professora Carla Portal explica que o evento é um espaço de discussão sobre as cidades que surgiu em 2016 em razão da demanda de espaços para debates sobre o tema e pela produção de artigos e trabalhos relacionados dentro do curso da UPF. “Inicialmente, buscamos mostrar o que é produzido de artigo e projetos de urbanismo. No entanto, nesta edição, temos trabalhos de egressos e de mestrandos, que estão compartilhando suas produções com os alunos”, comentou.

O evento congrega desde artigos, com caráter mais científico, até trabalhos práticos e, ao final, culmina em um quadro de tendências. “O resultado é a mostra de quais são as perspectivas para a cidade, o que tem de novidades sobre coisas aplicáveis às nossas cidades, ao planejamento. É um espaço para compartilhar, discutir e refletir sobre essa área”, destacou ela.

O coordenador do curso de Arquitetura e Urbanismo da UPF, professor Carlos Leonardo Sgari Szilagyi, destaca que a ação se torna um importante momento de debate sobre a cidade e o lugar onde se vive, além de trabalhar aspectos arquitetônicos e urbanísticos, dentro do espaço de vivência. “Precisamos questionar o status quo, nosso modo de vida, para melhorar no futuro. É indispensável essa discussão sobre a ambiência urbana, avaliando como o arquiteto e urbanista pode ajudar nesse processo. O debate deve ser permanente dentro da academia, para construirmos juntos uma cidade do século XXI”, constatou.