Notícias UPF

RPPN UPF conserva espécies ameaçadas e rica biodiversidade de mamíferos silvestres

  • Por: Assessoria de Imprensa
  • Fotos: Divulgação

Diagnóstico realizado nos mais de 32 hectares de área natural protegida mostram a conservação de pelo menos três espécies consideradas ameaçadas de extinção

O diagnóstico inicial da fauna silvestre da Reserva Particular do Patrimônio Natural da Universidade de Passo Fundo (RPPN/UPF) mostra que os 32,21 hectares de área natural protegida vêm cumprindo com a missão de preservação da biodiversidade. Os estudos estão agora voltados à identificação de espécies de mamíferos silvestres que ocorrem nos diferentes ecossistemas da RPPN UPF. Por meio da observação direta, da análise dos sinais reveladores e das armadilhas fotográficas, a equipe de pesquisadores que atua na reserva já identificou um representativo grupo de espécies de grandes e médios mamíferos. 

De acordo com o professor Jaime Martinez, coordenador do projeto “RPPN UPF: área protegida educadora”, nos poucos meses do diagnóstico da fauna silvestre foram registradas espécies como a capivara, o veado-mateiro, a paca, a cutia, o gato-do-mato-pequeno, o graxaim-do-mato, o mão-pelada, o coati, e uma grande diversidade de espécies de pequenos mamíferos como os roedores, cuícas e morcegos. Entre as espécies registradas, três são consideradas ameaçadas de extinção, na categoria vulnerável, como é o caso da paca (Cuniculus paca), da cutia (Dasyprocta azarae) e do gato-do-mato-pequeno (Leopoardus tigrinus). “Os resultados são bastante expressivos e exemplificam um dos objetivos da criação de áreas naturais protegidas, como as RPPNs, que é atuar na conservação de espécies ameaçadas”, explicou o professor.  

Os trabalhos de campo na RPPN UPF vêm sendo realizados pelos mestrandos do Programa de Pós-Graduação em Ciências Ambientais (PPGCiAmb)  Luís Eduardo Santos, Vanessa Bortoncello, Cassiê Rebellato de Souza, com a participação dos acadêmicos do curso de Ciências Biológicas Karen Petry, Rafael Valentin e Vinícius Audino, sob a coordenação do professor Martinez. As pesquisas de campo contaram ainda com o apoio do Projeto Charão (AMA-ICB/UPF), por meio da participação do biólogo da conservação Roberto Tomasi Jr. e do empréstimo de materiais de pesquisa como as armadilhas fotográficas, que além dos registros da fauna, também servem para identificar pessoas que transitam pela área, servindo assim como apoio na vigilância da área natural protegida.

RPPN UPF

A RPPN UPF compreende áreas de mata ciliar, de encosta, de banhado e em regeneração junto ao Arroio Miranda, curso hídrico que abastece um dos principais reservatórios de água de Passo Fundo, responsável pelo atendimento de aproximadamente 50% da população do município. A área de RPPN inclui as Áreas de Preservação Permanente (APP) e de Reserva Legal (RL) do Centro de Extensão e Pesquisa Agropecuária (Cepagro) da UPF, em conformidade com disposições do Código Florestal Brasileiro. Além de concentrar nascentes e preservar a qualidade da água, a área tem grande biodiversidade por se tratar de uma área do bioma Mata Atlântica.