Notícias UPF

Jovens da Apace fazem releituras de obras do Museu Ruth Schneider

  • Por: Assessoria de Imprensa
  • Fotos: Natália Fávero

Atividade integra a programação da Semana Nacional dos Museus

O primeiro encontro da oficina Leitura, Memória e Arte realizada com crianças e adolescentes com deficiência visual que frequentam a Associação Passo-Fundense de Cegos (Apace) foi nesta quarta-feira, 16 de maio. A atividade é promovida pela Universidade de Passo Fundo (UPF), por meio da Faculdade de Artes e Comunicação (FAC) e do Museu de Artes Visuais Ruth Schneider (MAVRS). A oficina ocorreu no espaço educativo do MAVRS e será realizada durante todo o ano, sempre às quartas-feiras, das 14h às 15h30min.

Os alunos utilizarão os múltiplos sentidos por meio do tato, da audição, do paladar e dos aromas para conhecer as diferentes manifestações culturais do mundo. Com o tema “Volta ao mundo com o MAVRS”, serão apresentados os cinco continentes e suas culturas, estimulando a capacidade de percepção sensorial e pessoal dos participantes. E essa volta ao mundo começa em Passo Fundo pelas obras da artista plástica passo-fundense Ruth Schneider, que dá nome ao Museu, e que doou inúmeras obras para o MAVRS. Na primeira oficina, os alunos puderam contemplar réplicas de obras da artista, feitas especialmente para que os participantes pudessem tocar e sentir os materiais. Além de fazer a releitura das obras, os alunos também conheceram um pouco da história do Cassino da Maroca, que é a temática principal das obras de Ruth Schneider, baseada na memória afetiva das histórias contadas por sua avó Ida, que era lavadeira da Rua XV de Novembro, onde ficava o Cassino no final da década de 1930.

Por meio de diferentes referenciais artísticos e culturais – artes visuais, música, culinária, literatura, dança, cinema, arquitetura, arqueologia, folclore –, os participantes são levados a ampliar seu conhecimento acerca do patrimônio histórico e cultural da humanidade, desenvolvendo junto a esses processos de ensino-aprendizagem a ampliação da capacidade intelectual e sensível, favorecendo a inclusão social. “Vamos escolher alguns países desses continentes para aprofundar questões da música, da literatura, do folclore, das artes visuais, especialmente pela exploração tátil. Vamos utilizar bastante recursos tridimensionais em alto relevo para eles perceberem as obras”, revelou a coordenadora da atividade, a professora do curso de Artes Visuais da UPF, Ivana Rocha Tisott.

A atividade integra a programação da Semana Nacional dos Museus, que ocorre até domingo (20), tanto no MAVRS quanto no Museu Histórico Regional (MHR), e inclui, além da oficina, exposições e ações educativas.