Notícias UPF

Refletir as práticas para alcançar a excelência

  • Por: Assessoria de Imprensa
  • Fotos: Gelsoli Casagrande

Comunidade acadêmica participa, ao longo do dia, do XVIII Seminário de Avaliação Institucional

Professores, alunos e funcionários da Universidade de Passo Fundo (UPF) participam, nesta terça-feira, 26 de setembro, do XVIII Seminário de Avaliação Institucional, promovido pela Divisão de Avaliação Institucional e pela Comissão Própria de Avaliação (CPA). O encontro acontece no Salão de Atos da Faculdade de Direito, Campus I, até o final do dia.

O objetivo do encontro, que chega à sua XVIII edição, é promover o debate, a reflexão e a troca de experiências entre professores, diretores, coordenadores de curso, alunos e funcionários, visando à melhoria do ensino, da pesquisa, da extensão e da inovação tecnológica. Para o reitor da UPF, professor José Carlos Carles de Souza, esse é um processo pensado de forma colegiada e tem o objetivo de ser um espaço de transformação. “A UPF tem feito, ao longo da sua história, diversas avaliações internas e externas. O que vivenciamos hoje é um Seminário que reúne a comunidade acadêmica para compartilhar o conhecimento sobre os processos do Ministério da Educação, as ações desenvolvidas pela Instituição, trocando experiências e nos fortalecendo como Universidade”, destacou.

De acordo com o professor Fabiano Chiesa, coordenador da Divisão de Avaliação, a necessidade de repensar as ações é urgente para quem trabalha com educação. Ele destaca que a UPF é uma das instituições que mais realiza esses momentos de avaliação coletiva, o que, em sua opinião, qualifica os processos desenvolvidos. “Repensar as ações é algo que devemos fazer cotidianamente. A partir dessas trocas, vamos ter condições de melhorar o ensino, de saber o quanto precisamos e queremos avançar”, pontuou.

Presente no encontro, a vice-reitora de Graduação, professora Rosani Sgari, destacou que os resultados colhidos nas avaliações realizadas pelos órgãos competentes são frutos do olhar interno para as práticas educacionais a partir de um engajamento coletivo. “Precisamos compreender o que fazemos como um processo, mas também como uma ação humana, feita por pessoas. Tudo é fundamental para que busquemos cada vez mais a qualidade naquilo que fazemos”, disse.

Na opinião do vice-reitor de Pesquisa e Pós-Graduação, as avaliações fazem parte do dia a dia das instituições. Para ele, essas ações devem servir de ferramenta para impulsionar o crescimento. “Em momentos como esse, temos a oportunidade de exercitar a cultura de avaliações, utilizando esse processo como um instrumento capaz de nos motivar, impulsionar e instigar”, ressaltou, lembrando que, recentemente, os programas de pós-graduação da UPF foram avaliados pela Capes.

De acordo com a vice-reitora de Extensão e Assuntos Comunitários, professora Bernadete Maria Dalmolin, o desafio é conseguir olhar para a própria prática e ser capaz de mudar, melhorar e crescer. “Essa parada que fazemos é muito importante. Queremos, e temos conseguido, transformar a avaliação em uma prática diária. Sabemos que é desafiador, mas temos consciência de que, somente assim, podemos analisar onde e como investir nossos esforços”, declarou.

Segundo Agenor Dias de Meira Junior, vice-reitor Administrativo, o Seminário já é um espaço consolidado para promover a reflexão e a motivação. “O Seminário é o momento de motivação para melhorar nossas ações. Nossa ideia é envolver cada vez mais a Universidade como um todo nesse espaço de reflexão, para que possamos, juntos, olhar para os próximos passos”, frisou.

A avaliação permanente é o que transforma uma universidade, segundo a presidente da Fundação Universidade de Passo Fundo (FUPF), professora Maristela Capacchi. “O Seminário é um momento de parar e pensar sobre o que estamos fazendo e como estamos fazendo. Sabemos que essa reflexão deve ser permanente, mas é importante essa troca entre Unidades e entre instituições, para que tenhamos um olhar mais amplo”, ressaltou.

Programação
Entre os temas abordados no Seminário, esteve “O uso dos indicadores de qualidade na educação superior”. A palestra foi ministrada pelo professor Hélio Radke Bittencourt, da PUC/RS. De acordo com ele, atividades como essa potencializam as ações desenvolvidas. “A ideia desses encontros é esclarecer como os processos funcionam para que as ações possam ser direcionadas à qualidade do ensino. Somos sempre avaliados, e, hoje, cada vez mais, as Instituições de Ensino Superior estão passando por momentos de validação”, concluiu.