Notícias UPF

Novas metodologias de ensino: por que é necessário mudar?

  • Por: Assessoria de Imprensa
  • Fotos: Jéssica França

Curso de Qualificação Docente promoveu palestra com o professor, consultor educacional e de tecnologia Fernando de Mello Trevisani

Promover a qualificação permanente de seus professores é um dos objetivos da Universidade de Passo Fundo, que, por meio da Vice-Reitoria de Graduação (VRGRAD) e do Setor de Apoio Pedagógico (SAP), realiza a terceira edição do Curso de Qualificação Docente. Na noite de terça-feira, 9 de janeiro, no auditório da Faculdade de Ciências Econômicas, Administrativas e Contábeis (Feac), foi realizado um painel com o professor, consultor educacional e de tecnologia Fernando de Mello Trevisani, que falou sobre as novas metodologias de ensino.

Com o tema “Metodologias ativas: o ensino centrado no aluno para o desenvolvimento da colaboração e da autonomia”, o palestrante realizou uma atividade com os participantes, levando-os à reflexão sobre as atuais metodologias de ensino e sobre as razões pelas quais é necessário mudar a forma de ensinar.

De acordo com Trevisani, embora necessária, a mudança pode acontecer de forma mais suave, em progressão ou disruptiva. “As instituições no Brasil optam por mudanças mais suaves. A metodologia ativa vem para contribuir, tirando o aluno do hábito passivo de construir conhecimento e transformando-o em um aluno ativo na construção de seu próprio conhecimento”, afirmou.

Novas práticas docentes
Segundo o palestrante – que atua como professor de matemática no Colégio Sidarta e na Faculdade Sesi, atuando também no projeto Time de Autores, parceria com o Google, a Nova Escola e a Fundação Lemann para produção de planos de aula alinhados com a BNCC –, há diversos métodos que podem ser utilizados pelos docentes em sala de aula, tais como a  utilização de tecnologias, ensino híbrido, por meio de projetos ou problemas. “Essas formas de trabalho se complementam e cada uma delas será utilizada de acordo com o objetivo do professor. Por isso, apresentamos um panorama geral dessas metodologias ativas, abordando cada uma, mostrando exemplos das práticas docentes em sala de aula, para que tenham ideia do que fazer e de quando usar cada uma delas”, esclareceu.

Uma nova metodologia de ensino possibilita que o aluno atue como protagonista no seu aprendizado, pois, em uma aula expositiva, há mais possibilidades de o estudante se distrair e de se perder no conteúdo, diferentemente do que ocorre em um método no qual ele tem que participar ativamente do processo. “Tira o aluno daquela sensação de receptor do conhecimento, dando a possibilidade de construi-lo de forma individual, em duplas e em grupos. A ideia da metodologia ativa não é sobrecarregar o estudante que trabalha, mas possibilitar novas formas para que ele aprenda e construa o conhecimento de uma maneira diferente”, finalizou.