Notícias UPF

Literatura e arte marcam Dia Internacional das Cidades Educadoras

  • Por: Assessoria de Imprensa
  • Fotos: Gelsoli Casagrande

Diversas oficinas foram realizadas na manhã desta quinta-feira, 30 de novembro, na Escola Municipal Fredolino Chimango

A Escola Municipal Fredolino Chimango, localizada no bairro Jaboticabal, recebeu inúmeras atividades em comemoração ao Dia Internacional das Cidades Educadoras, que ocorre nesta quinta-feira, 30 de novembro. As ações são promovidas com o apoio do Programa UniverCidade Educadora em parceria com a Jornada Nacional de Literatura, que continua desenvolvendo ações em prol da jornalização da cidade, em especial das escolas. 

A atividade contou com diversas oficinas: oficina de Dança; oficina de Cidades Educadoras; oficina com o Museu de Artes Visuais Ruth Schneider; oficina de Trânsito - Escolinha de Pedestre - Guarda de Trânsito; oficina Coleurb - Andar seguro; e oficina de Artes - Confraria das Artes. Neste dia, conforme o coordenador do Programa UniverCidade Educadora, Marcio Tascheto, os grupos que trabalham com esse conceito de Cidades Educadoras tiveram como missão promover reflexões e debates acerca desse tema. “O conceito de Cidades Educadoras, de um modo bem objetivo, é o planejamento da cidade visando uma melhoria da qualidade de vida e de uma cidade voltada para as pessoas, tendo a educação como grande estratégia para isso”, explicou Tascheto.

Em relação a situação atual da cidade, o professor ressaltou que Passo Fundo avançou em vários aspectos, sobretudo nas políticas públicas ligadas à mobilidade urbana e à revitalização dos espaços públicos. No entanto, Tascheto afirma que o município não tem um projeto coeso, apenas práticas isoladas. “O grande salto seria construir uma proposta de cidade educadora que levasse em conta diferentes dimensões da cidade e, pra isso, precisaria de uma construção coletiva, envolvendo a sociedade, o poder público e a iniciativa privada”, ressaltou o professor.

E a Jornada continua
A Jornada Nacional de Literatura, promoveu, neste ano de 2017, várias ações em prol da jornalização da cidade. “A Jornada teve todo um envolvimento com a cidade, por meio do Caminho das Artes, Rotas Leitoras e Estações de Leitura, levando a Jornada até as escolas com ações de cultura, leitura e teatro e queremos manter esse compromisso com as escolas e com a cidade. A ideia é continuar jornalizando a cidade, especialmente as escolas”, revelou uma das coordenadoras da Jornada, professora Fabiane Verardi Burlamaque.

Para o coordenador do Programa UniverCidade Educadora, a democratização da cultura e da literatura está ligada ao conceito das Cidades Educadoras. “A Jornada saiu de um paradigma da tenda para pensar uma teia de relações que envolve a cidade como um grande palco da Jornada. Chegamos neste conceito de jornalização muito neste cruzamento da tradição da Jornada, que é uma das coisas mais inovadoras que temos, com esse conceito das Cidades Educadoras como subsídio teórico e de boas práticas que se tem nesta rede mundial do movimento”, salientou Tascheto.